Notícias

A A

Grupo Edson Queiroz doa capacetes Elmo para Secretaria de Saúde de São Paulo

Publicado em 22 de abril de 2021, 17:15

O capacete de respiração assistida desenvolvido no Ceará ajuda a reduzir em até 60% a necessidade de internação em UTI com custo 72x menor do que o de um respirador mecânico

O Grupo Edson Queiroz doou, na última semana, 150 capacetes Elmo para a Secretaria de Saúde de São Paulo. Os equipamentos auxiliarão a rede pública de saúde no combate à pandemia do novo Coronavírus. Até o momento, a empresa já doou 566 unidades do equipamento, evitando que diversas pessoas fossem intubadas e tivessem que se internar em uma UTI.

O dispositivo utiliza um mecanismo de respiração artificial não invasivo desenvolvido por uma equipe multidisciplinar no Estado do Ceará e começou a ser produzido em dezembro de 2020 pela empresa de eletrodomésticos do Grupo, a Esmaltec. Em quatro meses, já foram entregues mais de 9 mil capacetes.

O custo médio do tratamento com o Elmo é até 72x mais barato que o tratamento com o uso de um respirador mecânico comum adquirido pelo poder público, de acordo com dados da Controladoria Geral da União (CGU), representando, além de melhorias no tratamento dos pacientes, economia para os cofres públicos.

“O comprometimento social e o empreendedorismo estão na essência do Grupo Edson Queiroz, então, não medimos esforços para unirmos forças no combate à pandemia. Colocamos nossos profissionais e estrutura no desenvolvimento de estratégias, junto ao poder público, para que pudéssemos ajudar a minimizar os impactos causados pela Covid-19”, afirma Carlos Rotella, presidente do Grupo Edson Queiroz.

Além da Esmaltec, responsável pela produção dos capacetes, atuaram no desenvolvimento do equipamento o Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria da Saúde (Sesa), a Escola de Saúde Pública do Ceará (ESP/CE) e a Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap), além da Universidade de Fortaleza (Unifor), a Federação das Indústrias do Ceará (FIEC), por meio do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai Ceará) e a Universidade Federal do Ceará (UFC).

Compartilhamento